“Como pode debruçar-se atentamente sobre o sofrimento dos outros quem está em ferida por dentro?"

(Sacramento, M., Diário, p.21)